5 dicas para cuidados com idosos em casa

5 dicas para cuidados com idosos em casa

Quando nosso familiar envelhece, muitas vezes é comum pensarmos na casa de repouso como uma solução viável. Mas, será que chegou o momento de colocar o seu familiar nas casas de repouso, ou ainda é possível mantê-lo em casa?

Como adiar a ida para uma casa de repouso?

Nem todos os idosos estão preparados para deixar a sua casa, a sua rotina e a sua vizinhança para se mudar para uma casa de repouso. E esse sentimento é bem compreensível, já que muitos deles moraram por anos naquela residência e construíram memórias ali.

Sendo assim, muitas famílias decidem adiar essa decisão, permitindo que o idoso continue morando sozinho na sua própria casa. Mas, para isso, é fundamental criar um ambiente seguro e adaptado às necessidades dele.

A instalação de corrimãos em escadas, barras de apoio no banheiro, tapetes antiderrapantes e iluminação adequada são medidas que podem ajudar a prevenir quedas e outros acidentes, proporcionando um ambiente mais seguro para o idoso.

Além disso, é importante considerar a contratação de serviços de teleassistência, principalmente para idosos que moram sozinhos ou passam grande parte do dia desacompanhados.

Com o botão de emergência, por exemplo, é possível que o idoso acione ajuda rapidamente em caso de queda, mesmo estando sozinho em casa. Alguns botões de emergência também são equipados com um sensor de desmaio, possibilitando que ele receba ajuda mesmo se estiver inconsciente.

Outra vantagem é que algumas empresas de teleassistência realizam uma ligação de bem-estar semanal e disponibilizam o serviço de teleconsulta, facilitando o acesso à saúde para o idoso.

Essa última vantagem é especialmente importante para idosos com mobilidade reduzida, já que eles podem ter a facilidade de esclarecer dúvidas médicas e usos de medicamentos por meio de uma ligação!

Avaliando a necessidade de cuidados especiais

Avaliar a necessidade de cuidados especiais para um idoso é uma etapa extremamente importante para garantir seu bem-estar e qualidade de vida.

Existem diversos sinais e situações que podem indicar a necessidade de cuidados mais intensivos, como dificuldades de locomoção, esquecimento frequente, problemas de saúde crônicos ou agudos, e a falta de autonomia para atividades básicas do dia a dia.

Para avaliar essa necessidade, é importante considerar a opinião de profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros e fisioterapeutas, que podem avaliar a condição física e mental do idoso.

Dicas de segurança para prevenir acidentes

Se após as avaliações você percebeu que o seu familiar idoso tem condições de continuar morando sozinho, é importante investir em segurança para prevenir acidentes e trazer mais tranquilidade para você e para ele.

Dispositivos tecnológicos

O avanço da tecnologia trouxe dispositivos que podem auxiliar na segurança dos idosos dentro e fora de casa.

Para dentro de casa, a TeleHelp desenvolveu um botão de emergência no formato de pulseira ou colar. Com esse botão, é possível que o idoso peça ajuda com apenas um toque.

Além disso, é possível escolher um botão de emergência para ser usado em casa equipado com um sensor de desmaio. Nessa versão, o aparelho consegue detectar quedas bruscas e notificar a central de atendimento da TeleHelp que ligará para a família informando que o idoso precisa de ajuda, mesmo que ele esteja inconsciente.

É importante destacar que o botão de emergência para usar em casa, tanto a opção com ou sem o sensor de desmaio, são impermeáveis, ou seja, podem ser usados no banho, local onde a maioria das quedas costuma acontecer.

A segunda solução da TeleHelp é o botão de emergência para fora de casa. Esse modelo é leve, confortável e portátil, além de possuir viva-voz e GPS integrados. Ao acionar o botão, um sinal de emergência é enviado juntamente com a localização à central e os procedimentos de emergência são iniciados.

Sendo assim, investir nesses dispositivos tecnológicos é uma excelente medida para garantir a segurança de idosos que moram sozinhos ou passam muito tempo sem companhia.

Ambiente adaptado

Além dos dispositivos tecnológicos, é importante cuidar do ambiente, ou seja, a casa do idoso precisa estar adaptada para que ele possa realizar as suas atividades diárias com mais segurança e tranquilidade.

Dentre os acidentes domésticos mais comuns nos idosos, destacam-se as quedas ocasionadas por tapetes, escadas, fios soltos e pisos escorregadios. Redobrar a atenção nesses ambientes é uma ótima estratégia para evitar as quedas.

É importante também instalar barras de apoio nos banheiros e nos corredores, ajudando o idoso a se movimentar com mais segurança e, se possível, escolher pisos antiderrapantes.

Outra dica é organizar os móveis e objetos de forma que o idoso consiga alcançá-los facilmente, sem precisar subir em escadas – ou pior ainda, em cadeiras e banquinhos.

Atividades diárias e o bem-estar do idoso

As atividades diárias desempenham um papel fundamental no bem-estar físico e mental dos idosos. Manter uma rotina regular e engajada pode ajudar a promover uma vida mais saudável e feliz.

Por isso, é necessário incentivar as atividades físicas adequadas à idade e condição física do idoso, como caminhadas leves, yoga ou hidroginástica – exercícios que podem melhorar a saúde cardiovascular, a flexibilidade e a força muscular.

A socialização também é algo essencial para o bem-estar na melhor idade, podendo ajudar a combater a solidão e a depressão, comuns nessa fase da vida.

Por fim, é indispensável cuidar da alimentação, garantindo uma dieta equilibrada e nutritiva para manter a saúde e energia do idoso, incluindo alimentos como frutas, vegetais, grãos integrais e proteínas magras.

Mantendo a saúde mental dos idosos

Para manter a saúde mental dos idosos, é essencial proporcionar atividades que estimulem o cérebro, como leitura, jogos de tabuleiro, quebra-cabeças e palavras-cruzadas. Essas atividades ajudam a manter a mente ativa e a prevenir o declínio cognitivo.

Para manter uma rotina regular e engajada, é necessário ter horários definidos para as atividades. Isso ajuda a criar um senso de normalidade e estabilidade, contribuindo para a saúde mental do idoso.

Por fim, é fundamental estar atento aos sinais de depressão, ansiedade ou outros problemas de saúde mental. Caso necessário, buscar ajuda profissional, como psicólogos ou psiquiatras, pode ser essencial para garantir o bem-estar emocional na terceira idade.