São Paulo tem pior semana da pandemia com média de 364 mortes por dia​

Por G1 SP 15/03/2021 - 07:30 hs

São Paulo tem pior semana da pandemia com média de 364 mortes por dia​
Foto: Carla Carniel/Reuters

A semana que se encerra neste sábado (13) foi a pior para o estado de São Paulo desde o início da pandemia, com 2.548 mortes confirmadas por Covid-19 desde o último domingo (7), o que representa uma média de 364 óbitos por dia.

Nas últimas 24 horas foram registrados 434 falecimentos e 15.344 novos casos. No total, São Paulo teve 2.195.130 casos e 63.965 óbitos causados pelo coronavírus.

Na última sexta (12), o estado bateu o recorde de registros de mortes em um único dia, com 521 vítimas – o equivalente a 1 óbito a cada 3 minutos em 24h.

As internações também estão em alta, com os piores índices da pandemia. São 23.025 pessoas internadas, sendo 9.944 em UTIs e 13.081 em enfermaria, considerando hospitais públicos e também particulares.

O total de internados no estado está batendo recordes todos os dias desde 27 de fevereiro.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 89% na Grande São Paulo e 87,6% no estado. Levantamento do G1 com a TV Globo mostra que ao menos 58 pacientes com Covid-19 morreram na fila de espera por um leito de UTI.

Especialistas alertam para a possibilidade de colapso do sistema, já que a capacidade de criação de leitos, especialmente de UTI, é limitada.

Um cálculo matemático mostra que São Paulo pode chegar ao colapso de seu sistema de saúde nos primeiros dias de abril, caso o atual ritmo de avanço da pandemia permaneça o mesmo.

Todos os leitos de UTI disponíveis para Covid-19 nas redes pública e privada do estado devem acabar nesse prazo, se o ritmo atual de internações pela doença e de abertura de novos leitos se mantiver em crescimento.

Em coletiva de imprensa na última quinta (11), o governo estadual anunciou novas restrições na quarentena, a chamada fase emergencial (leia abaixo) para conter o avanço da doença, e o secretário destacou que "este é o momento mais difícil da pandemia".

Veja o que pode funcionar na fase vermelha emergencial:

•  Escolas privadas, com 35% da capacidade.

•  Hospitais, clínicas, farmácias, dentistas e estabelecimentos de saúde animal (veterinários).

•  Supermercados, hipermercados, açougues, lojas de suplemento, feiras livres.

•  Delivery e drive-thru para padarias das 20h às 5h; no restante do dia, funcionamento normal.

•  Delivery para bares, lanchonetes e restaurantes.

•  Cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis.

•  Empresas de locação de veículos, oficinas de veículos, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos.

•  Serviços de segurança pública e privada.

•  Construção civil e indústria.

•  Meios de comunicação, empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens.

•  Outros serviços: lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica e bancas de jornais.

São Paulo tem pior semana da pandemia com média de 364 mortes por dia​ | São Paulo | G1 (globo.com)