Assomasul mobiliza prefeitos para encontro dia 3 em Brasília

Por Assomasul 26/11/2019 - 11:50 hs
Foto: Edson Ribeiro

A Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) começou a mobilizar os prefeitos do Estado para mais uma mobilização nacional organizada pela  CNM (Confederação Nacional de Municípios), desta vez no próximo dia 3 de dezembro.

O presidente da entidade, Pedro Caravina, alerta os colegas de Mato Grosso do Sul sobre a necessidade de participação durante o ato municipalista em Brasília visando à obtenção de mais recursos para os municípios por meio da aprovação das matérias que tramitam no Congresso Nacional.

Caravina adiantou que várias matérias importantes estão em pauta como, por exemplo, a extinção de municípios, o aumento de 1% do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) de setembro, a inclusão de municípios na Reforma da Previdência, a execução direta de emendas, o ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) e a Nova Lei de Licitações.

“Quero conclamar aos prefeitos e prefeitas para participarem desse grande ato municipalista, uma vez que as grandes conquistas que nós tivemos foram graças a essas mobilizações. O Congresso tem pautas importantes para decidir, como o 1% do FPM, a Lei de Licitações que interfere diretamente nas gestões municipais e também a questão da extinção dos municípios”, acrescentou.

A ideia do Palácio do Planalto é extinguir municípios com menos de 5 mil habitantes que tenham arrecadação própria menor que 10% da receita total.

A medida consta da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 188/2019, conhecida como PEC do Pacto Federativo, apresentada no início do mês.

A proposta ameaça de extinção de 1.252 municípios em todo o país, podendo atingir 5 em Mato Grosso do Sul – Figueirão, Jateí, Novo Horizonte do Sul, Rio Negro e Taquarussu.

A leitura que a CNM faz é que se for computada como arrecadação própria apenas as receitas com IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis) e ISS (Imposto sobre Serviços), praticamente nenhum município com até 5 mil habitantes poderá continuar existindo.

Para a entidade, a Constituição deu a competência da arrecadação de impostos urbanos aos municípios, mas a maioria tem pequena área urbana.

“Vamos nos unir, participar desse importante movimento para pressionar nossos representantes na Câmara e no Senado em torno da aprovação de pautas prioritárias que tramitam no Congresso Nacional”,sugere o dirigente, aconselhando os colegas prefeitos a entrarem em contato com a bancada federal a fim de pedir apoio.

Integrante do Conselho Político da CNM, Caravina reforça a convocação feita pelo presidente da Confederação, Gladimir Aroldi, para que os gestores se inscrevam o quanto antes para participar da mobilização nacional.

Para ele, a participação dos gestores municipais será novamente decisiva para que a pauta municipalista avance no Congresso Nacional.

Mobilização nos Estados

As entidades municipalistas promovem, com o apoio da CNM, diversas mobilizações nos estados.

A ação integra todos os estados atingidos com a PEC do Pacto Federativo.

Na semana passada, o encontro ocorreu em São Paulo, no último dia 19. O Estado pode ter riscado do mapa 135 municípios  caso a PEC seja aprovada.

No dia 20, foi à vez do Paraná receber a mobilização. Goiás recebeu o evento no dia 22 de novembro.

Nesta segunda e terça, dias 25 e 26, a mobilização será no Rio Grande do Sul.

Nesta terça, Minas Gerais também recebe o evento.

Por Willams Araújo