Menino de 10 anos se 'revolta' e dá banho em árvore para tentar salvá-la de envenenamento em MS

Heitor Ortiz mobilizou família para ajudá-lo a remover óleo diesel de ângico, árvore típica do cerrado brasileiro. Polícia investiga o caso e tenta identificar autor de crime ambiental.

Por G1 MS 29/11/2019 - 06:39 hs
Foto: Ana Ribeiro/Arquivo pessoal

O estudante de 10 anos, Heitor Ortiz, mobilizou parte da família na última quarta-feira (27) para tentar salvar uma árvore que foi envenenada com óleo diesel, no bairro Vilas Boas, em Campo Grande. De acordo com a tia do garoto, ele ficou revoltado ao saber da situação do ângico, árvore típica do cerrado brasileiro.

"Ele ficou indignado com o que fizeram com a árvore. O Heitor chamou eu e a mãe dele e após pesquisarmos na internet, descobrimos que o detergente ajudaria a remover parte do óleo diesel", explicou Ana Ribeiro, tia do menino.

Heitor deixou mensagens no tronco da árvore para avisar moradores sobre a recuperação do ângico. — Foto: Ana Ribeiro/Arquivo pessoal

Conforme Ana, o estudante sempre gostou da natureza e após lavarem parte do tronco com água e detergente, ele mesmo resolveu deixar um recado para os que passassem pelo o local: "Ele chegou a fazer alguns cartazes para dizer que aquela árvore estava em recuperação. Depois que lavamos parte dela [árvore], o cheiro diminuiu muito", comemora.

Heitor conta que sempre gostou de animais e acredita que se cada um fizer sua parte, a natureza agradecerá: "As árvores precisam ser ajudadas. Elas também têm vida. A gente veio aqui para dar um banho de água neste ângico e tentar tirar esse óleo que jogaram nela. Qualquer parte da natureza é importante para nossa vida"", explicou ao G1.

Decat afirma que foi injetado óleo disel em árvore típica do cerrado brasileiro. — Foto: Ana Ribeiro/Arquivo pessoal

Ana conta que fazia caminhada quando descobriu o produto não só na árvore, mas nas proximidades do solo do ângico. Ela afirma que desde ontem, o Heitor e a família já deram três banhos na parte do tronco para tentar salvá-la do envenenamento: "Jogaram o diesel bem na base [do tronco] para que atingisse as raízes.", lamenta.

Investigação

O delegado da Decat [Delegacia Especializada de Atendimento ao Turista e Repressão ao Meio Ambiente], Maércio Barbosa, disse que a atitude de jogar óleo diesel na árvore é crime ambiental. Ele ainda afirmou que policiais vão até o bairro para conversar com moradores e verificar se há imagens de câmera de segurança para tentar identificar o autor.

Conforme Barbosa, a punição para esse crime é de três meses a 1 ano de detenção e alerta para quem flagrar crimes dessa natureza, é importante que denuncie por meio do endereço eletrônico: decat@pc.ms.gov.br.

Conforme a Decat, nos último dois anos, 17 mil árvores foram destruídas por conta de vandalismo em Mato Grosso do Sul.

Por Graciela Andrade/TV Morena e Flávio Dias, G1 MS — Campo Grande